Sessão de Esclarecimento dia 20 de Maio:

 

A controversa técnica de exploração de gás de xisto através de “fractura hidráulica”, ou “fracking”, está em vias de avançar no nosso país. Apesar de a zona aparentemene mais promissora ser a formação da Brenha, que abrange os Concelhos do Bombarral, Cadaval e Alenquer, a verdade é que as concessões exploratórias incluem também o Litoral Alentejano, e uma concessão com o nome “Barreiro”, que abrange não só o nosso concelho como outros pontos da Península de Setúbal, e possivelmente até a serra de Monsanto, em Lisboa.

Esta concessão encontra-se neste momento entregue a uma empresa canadiana chamada “Oracle”, desconhecendo-se para já os resultados de eventuais pesquisas efectuadas.

Porque todos os dados que conhecemos apontam para que esta técnica seja de elevado risco ambiental, essencialmente ao nível da contaminação dos lençóis freáticos, e também porque acreditamos que o caminho a seguir na via da sustentabilidade ambiental e da independência energética não é este, e passa por uma aposta séria nas energias renováveis, em vez da exploração cada vez mais remota, difícil e arriscada do que ainda resta das energias fósseis, organizámo-nos no Movimento Anti-Extracção de Gás de Xisto no Barreiro, um grupo informal sem ligação a quaisquer partidos ou ideologias políticas, cujo único objectivo e o de combater mais esta forma agressiva de extracção de recursos energéticos, ainda para mais numa zona de elevada concentração de população, e com grande riqueza de água no subsolo.

No próximo dia 20 de Maio organizamos uma sessão de esclarecimento aberta à população, onde exibiremos um documentário seguido de debate.

https://movimentoantigasdexistobarreiro.wordpress.com/

Advertisements

Louisiana Residents Gear Up for Fracking Fight Just Outside New Orleans

Susan Tarasova with her children at a St. Tammany council meeting.

In mid-April, word started spreading like wildfire among Louisiana residents: Helis Oil & Gas LLC wants to drill a well in search of oil and gas on a 960-acre tract of land about 30 miles from New Orleans, in the Mandeville area.

Helis plans to use hydraulic fracturing, or fracking, to extract oil and gas from the Tuscaloosa Marine Shale (PDF), which holds an estimated 7 billion barrels of oil beneath the Southern Hills aquifer, which extends from St.Tammany to beyond Baton Rouge and well into Mississippi.

On April 16, residents packed a meeting, expressing fear and outrage about the proposed drilling. Right away, they learned two things: firstly, that they’re up against Louisiana’s strong laws protecting the oil and gas industry. And secondly, that there’s no time to waste.

Artigo completo AQUI

Convocatória para Reunião

Convocatória para Reunião
do Movimento Cívico Anti-Extracção de Gás de Xisto, Barreiro

Quinta Feira; dia 3 de Abril, 21h Consultório.

Movimento Anti Gás de Xisto no Barreiro convoca todos os cidadãos a reunir em torno da questão: prospecção e extracção de Gás de Xisto no Barreiro. Motivados pelo carácter nocivo desta prática e exigindo informação quanto aos parâmetros da prospecção (que a empresa canadiana, encarregue de a levar a cabo, Oracle não disponibiliza), queremos esclarecer/informando-nos acerca de tudo a ver com a prática que, na melhor das hipóteses, contaminará os solos, sendo esta prática mais conhecida por contaminar aquíferos (por onde a perfuração passa obrigatoriamente). Assim conscientes do privilégio que é viver sobre o maior aquífero da Europa, prevenir qualquer exploração que atente contra a salubridade do mesmo. Reunir cidadãos com este mote, não é só uma questão de bom senso mas, também, um dever inalienável.

http://www.movimentoantigasdexistobarreiro.wordpress.com

Impactos ambientais das actividades de extracção de gás de xisto e de óleo de xisto

Intervenção de João Ferreira no Parlamento Europeu

http://www.pcp.pt/impactos-ambientais-das-actividades-de-extrac%C3%A7%C3%A3o-de-g%C3%A1s-de-xisto-e-de-%C3%B3leo-de-xisto

Recomenda-nos o mais elementar bom senso que, no mínimo e desde já, se imponha uma moratória na exploração de jazidas de gás e petróleo de xisto.

Os impactos ambientais associados à exploração destas jazidas são significativos e muito negativos. A fracturação hidráulica, a injecção de químicos poluentes, eventualmente tóxicos, nos maciços rochosos acarretam necessariamente uma enorme instabilidade desses maciços e a degradação de recursos hídricos subterrâneos ou dos cursos de água drenantes dos maciços xistentos.

Só estes impactos seriam motivo para banir a exploração destes recursos. No mínimo, fiquemos pela moratória.

Além do mais, não está comprovado que seja positivo o retorno da quantidade de energia consumida em tão extensivo e intensivo método de extracção.

Seria interessante conhecer, se é que existem, os resultados de uma avaliação do retorno de energia por energia investida (uma avaliação EROI – Energy Return on Invested Energy) sobre o ciclo de vida de cada um destes empreendimentos, de forma a verificar o seu balanço económico.

“Os Verdes” querem moratória à exploração de gás de xisto

Comunicado de 11/10/2013

“Os Verdes” querem moratória à exploração de gás de xisto

O Partido Ecologista “Os Verdes” entregou na Assembleia da República um Projeto de Lei que visa adotar, em Portugal, uma moratória à exploração de gás de xisto, sustentada no princípio da precaução, com vista à salvaguarda da saúde pública e da preservação ambiental.

A extração de gás de xisto tem pesados impactos sobre o ambiente e sobre a saúde pública e a gravidade desses impactos tem sido bem demonstrada pela prática. Conhecem-se já exemplos, decorrentes desta exploração, de danos ambientais irreversíveis, designadamente nos EUA, no Brasil ou em Inglaterra, com forte contaminação de massas de água potável, com claro prejuízo direto para as populações e para a atividade agrícola, com destruição de ecossistemas relevantes ou com abalos sísmicos diretamente resultantes dessa exploração de gás. O PEV relembra que, em Portugal, a prospeção de gás de xisto foi já autorizada pelo Governo na região Oeste.

Face à incerteza e controvérsia científica que envolve a exploração de gás de xisto, e ainda aos reais impactos gravíssimos, já constatados, sobre o Planeta e sobre aqueles que nele habitam, “Os Verdes” consideram que é imperioso aplicar, nesta matéria, o princípio da precaução e propõem, com esta iniciativa legislativa, a introdução de uma moratória à exploração de gás de xisto em Portugal, um Projeto de Lei que será discutido no Parlamento em data a anunciar.

Ver Texto do Projeto

 

Comunicado – Assembleia Municipal

MOVIMENTO ANTI-EXTRACÇÃO GÁS DE XISTO, BARREIRO

COMUNICADO

Na sequência do anúncio de que o governo concedeu a exploração de gás e petróleo na Margem Sul do Tejo (até 2021) à empresa canadiana Oracle Energy Corporation, tendo sido o Barreiro indicado como um dos locais para o início da prospecção. Dada a controvérsia que envolve a técnica de extracção do gás de xisto (“fractura hidráulica” ou “fracking”) pelo alto risco de contaminação química dos aquíferos e solos e o risco de afectação da estrutura geológica; estivemos presentes na sessão da Assembleia Municipal do Barreiro realizada no passado dia 28 de Fevereiro, onde questionámos o executivo sobre as informações que dispõe e o que pensa sobre este processo.

O Sr. Presidente da C.M.B. afirmou desconhecer a técnica da fractura hidráulica/fracking e que a informação que recebeu do Ministério da Economia se resumiu à assinatura do contrato de concessão.

Face à perigosidade que esta técnica envolve é nossa convicção que a Câmara Municipal do Barreiro e também os representantes e estruturas partidárias locais não poderão deixar de se informar e actuar em conformidade com a defesa do recurso insubstituível que é a água, os solos, a saúde e segurança das populações.

Em 15 de Março de 2014

Movimento Anti-Extracção Gás de Xisto, Barreiro